Vênus e Cupido, Lucas Cranach, o Velho

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Vênus e Cupido, Lucas Cranach, o Velho
Vênus e Cupido, Lucas Cranach, o Velho

A pintura insere-se na longa série de Vênus e Lucrécias nuas executadas por Cranach, o Velho, a partir de finais da década de 1520. Esta representa o jovem Cupido que se lamenta à mãe Vênus pelo fato de as abelhas o terem picado enquanto tentava roubar-lhes mel.

Os versos latinos que aparecem à direita, no céu, são inspirados no poeta clássico Teócrito e sublimam o significado do episódio mitológico: uma apologia moral sobre a vã procura dos prazeres terrenos.

Três quartos do quadro estão ocupados pelo fundo escuro do bosque, de encontro ao qual se recontam as pálidas carnações dos protagonistas e onde um par de veados encontra refúgio.

Nua e provocante, delgada e aristocrática, Vênus está apenas ornamentada com um chapéu e um colar, semelhante a uma Eva tentadora que nos oferece maçãs de sensual rotundidade.

O protagonista é o nu feminino delineado com uma linha sinuosa e abstrata, onduladas e elegante, que se resolve na superfície com um movimento serpenteado, negando peso e matéria ao corpo, afastado, portanto, de qualquer sugestão naturalista clássica.

O símbolo do artista aparece, sob forma de serpente alada, na pedra aos pés da deusa.

Vênus repreende Cupido, que, com as suas flechas, infringe profundas feridas de amor, como as causadas pelas abelhas. Com isso, o pintor pretende advertir contra os riscos da luxúria. No decurso do século 16, na Europa, atravessada pelos exércitos, as doenças venéreas começavam a espalhar-se.

Cupido atormentado pelas abelhas, enquanto rouba um favo de mel, lamenta-se à mãe Vênus. A cor pálida das carnes contrasta com o verde-escuro da folhagem. A estrutura compositiva, os aspectos anatômicos das figuras e o estilo são característicos do mestre alemão, principal artista da Reforma.

Emoldurada pela vegetação, à direita abre-se uma paisagem de rochas altas, refletida nas águas transparentes e iluminada por uma luz límpida e serena. Como as figuras, também a vegetação e os esboços estão privados do naturalismo típico da arte italiana contemporânea e assumem tons fabulosos e quase dotados de vida própria.

Vênus e Cupido, c.1525, óleo sobre madeira, 82,1 x 56,8 cm, Lucas Cranach, o Velho, National Gallery, Londres.

Agora que você sabe mais detalhes sobre esse quadro de Lucas Cranach, o Velho, experimente fazer uma releitura dele ou criar uma cena de uma mãe repreendendo seu filho por algo que ele tenha feito, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: