Vênus e Adônis, Ticiano Vecellio

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Vênus e Adônis, Ticiano Vecellio
Vênus e Adônis, Ticiano Vecellio

Na segunda metade do século 16, Ticiano encontrou um novo interlocutor no príncipe Filipe, que viria a converter-se em rei na sequência da abdicação de seu pai, Carlo V, em 1555.

Pela extensa relação epistolar sabe-se que, a partir de 1553, Ticiano realizou para Filipe II sete quadros mitológicos, denominados “Poesias”, atualmente dispersos em vários museus.

Este quadro faz parte da referida série e foi concebido omo simétrico ao de Dânae, conservado também no Museu do Prado, tanto que o nu de Vênus, visto de costas, deveria contrapor-se ao de frente de Dânae, como o próprio mestre veneziano explica numa carta.

Adaptação livre das Metamorfoses de Ovídio, a cena ilustra o amor de Vênus por Adônis, jovem e belíssimo caçador: a deusa tenta desesperadamente reter o seu amado, que vai à caça na qual irá morrer.

O drama iminente é sublimado pela atmosfera de tormenta que se adensa na paisagem, enquanto Cupido, alheio a tudo, dorme no bosque.

Diferentemente das alegres bacanais realizadas quase trinta anos antes para o duque Alfonso d’Este, das quais o Museu Prado conserva dois exemplares, as “Poesias” para Filipe II marcam uma fase de intensa e profunda reflexão sobre a condição humana e mostram, na evolução dos protagonistas mitológicos, uma amarga metáfora da existência nas mãos do destino e das circunstâncias.

Ticiano demonstra a plena maestria de um rico cromatismo. As tonalidades mais intensas e os mais belos sfumatos são evidentes nos surpreendentes retratos dos cães ansiosos por correr e por atacar a presa.

Vênus e Adônis, 1554, óleo sobre tela, 186 x 207 cm, Ticiano Vecellio, Museu do Prado, Madri.

pincel

Agora que você sabe mais detalhes sobre esse quadro de Ticiano Vecellio, experimente fazer uma releitura dele ou criar uma composição sobre a mitologia, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *