Entre Construção e Apropriação, Sesc Pinheiros

História das Artes > Sala dos Professores > Entre Construção e Apropriação, Sesc Pinheiros
Entre Construção e Apropriação, Sesc Pinheiros

Nesta exposição os artistas Geraldo de Barros, Rubens Gerchman e Antonio Dias evidenciam as poéticas construtivas, sem deixar de lado a cultura de massas dos anos 1960.

O intervalo entre os anos 1950 e 1960 reuniu diferentes talentos.

Entre eles, uma trinca de peso se destacou: um, artista de referência em experimentação fotográfica e pintura geométrico-abstrata; o segundo, experiente programador visual de revistas impressas, como Sétimo Céu e Manchete, desenvolvendo-se artisticamente por meio de produções com temática urbana, expressando-se por fotografias; e o terceiro, também colaborador de revistas, atuou como desenhista de arquitetura e artista gráfico, logo que começou com exposições individuais, a primeira em 1962 (galeria Sobradinho, no Rio de Janeiro), saltou para participações em exposições internacionais, destacando-se a 4ª Bienal de Paris, em 1964.

O trio descrito acima é formado por Geraldo de Barros (Chavantes, SP, 1923-1998), Rubens Gerchman (Rio de Janeiro, RJ, 1942-2008) e Antonio Dias (Campina Grande, PB, 1944).

No início da carreira, os três se interessaram pela vertente abrasileirada do expressionismo e guardam em comum a atuação gráfica, “não apenas na gravura de arte, mas no trabalho comercial com ilustração e design gráfico”, informa João Bandeira, pesquisador e crítico de artes visuais, curador da exposição Entre Construção e Apropriação – Antonio Dias, Geraldo de Barros e Rubens Gerchman nos Anos 60

They are kissing – pintura de Geral do Barros

Renovação da Linguagem

Para o curador, os três artistas têm, em comum, uma habilidade para articular o legado construtivo da arte concreta e neoconcreta, seja na pintura ou no objeto.

Bandeira reforça ainda o empenho de ambos para a renovação da linguagem artística, sem desconsiderar a veloz expansão das estratégias e produtos da cultura de massa.

“Um dos principais problemas desses três artistas foi o de produzir em meio à proliferação de técnicas e imagens da ‘cultura de massas’ e a uma venenosa combinação de conservadorismo e opressão, que emergiu com o Golpe de 1964”, opina o curador.

“Mesmo que as condições atuais sejam outras, muitas coisas parecem estar voltando a ser como naquela época e os artistas de agora lidam com problemas em boa parte similares aos que Antonio, Geraldo e Gerchman enfrentaram.”

Ao desfrutar o universo de vários artistas no mesmo ambiente, é possível colocar em perspectiva não só a produção, mas o contexto histórico de atuação dos realizadores.

As obras selecionadas apresentam o legado da arte construtiva no Brasil, abarcando aspectos técnicos, estéticos e suas implicações sociais.

Atividades integradas fazem parte da exposição.

Sesc Pinheiros . Rua Paes Leme, 195 – Pinheiros – São Paulo. Aberta de terça à sábado, das 10h30 às 21h30 e domingo, das 10h30 às 18h30. Até 03/06/2018.

Fique atento aos horários, eles sofrem alterações. Consulte sempre o site oficial da instituição.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *