Exposição Antonio Bandeira | MAM | SP

História das Artes > Sala dos Professores > Exposição Antonio Bandeira | MAM | SP
Exposição Antonio Bandeira | MAM | SP
   

Um dos pioneiros do abstracionismo no Brasil, o pintor ganha exposição que abrange diversos períodos de sua produção, com curadoria de Regina Teixeira de Barros e Giancarlo Hannud.

A exposição recebe um conjunto de cerca de 60 trabalhos do artista Antonio Bandeira (1922–1967)

Ela reúne obras de diferentes fases da produção do artista, desde as primeiras pinturas figurativas até as grandes telas de tramas, criadas nos últimos anos de sua carreira.


Expoente do abstracionismo no Brasil, Bandeira ocupa lugar de destaque na arte brasileira.

Nascido em Fortaleza, em 1922, transferiu-se em 1945 para o Rio de Janeiro.

Aos 24 anos, viajou para Paris com bolsa de estudos concedida pelo governo francês e por lá se aproximou de artistas como Camille Bryen e Georges Mathieu, além do alemão Wols, que exerceu forte influência sobre seu trabalho.

Ainda que, em sua trajetória de feitos artísticos nacionais e internacionais, tenha se tornado um dos artistas brasileiros mais valorizados em termos comerciais,

Bandeira ainda é pouco conhecido pelo grande público.

Para Giancarlo Hannud, um dos curadores da exposição, isso se deve à independência cultivada pelo pintor, que sempre foi exigente, metódico e extremamente disciplinado, mas nunca se filiou a nenhum grupo.

“Na arte brasileira, Bandeira ocupa um lugar bastante particular, pois ao contrário da maior parte dos artistas de sua geração, especialmente nas décadas de 1950 e 1960, ele nunca se filiou a grupos ou movimentos artísticos, sempre se mantendo independente de coletividades estéticas. É por isso um dos poucos ‘independentes’ de seu tempo no Brasil, sempre travando um trabalho de depuração formal interno. Também foi um dos primeiros artistas brasileiros a cultivar sua própria imagem de forma bastante ativa, desenvolvendo uma persona e alimentando as narrativas que se construíam em torno de sua pessoa. Além disso, integrou tanto o ambiente artístico brasileiro quanto internacional, participando de mostras no Brasil e no exterior em igual parte, e tendo interlocutores tanto na Europa quanto no Brasil”, comenta Hannud.

Por trás do abstracionismo, o pintor sugere emoções concretas guiadas por títulos que se relacionam com uma paisagem urbana e cenas do cotidiano, a exemplo de Flora agreste (1958), Ascensão das favelas em azul (1951) e Cais noturno (1962-63).

Cais Noturno – 1962-1963 – Antonio Bandeiras

A mostra também apresenta a multiplicidade das produções de Bandeira, das aquarelas e guaches da década de 1940 aos trabalhos mais experimentais, realizados na década de 1960, com fitas adesivas ou sobre flãs de jornal.

Museu de Arte Moderna de São Paulo Endereço: Parque Ibirapuera. Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portões 1 e 3. Horários: terça a domingo, das 10h às 17h30 (com permanência até as 18h). Até 1º/março/2020

Fique atento aos horários, eles podem sofrer alterações. Consulte o site oficial da instituição.

COMO CITAR?

Para citar o História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. Exposição Antonio Bandeira | MAM | SP. História das Artes, 2020. Disponível em: <https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/exposicao-antonio-bandeira-mam-sp/>. Acesso em 01 Dec 2020.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: