Calder e a Arte Brasileira

História das Artes > Sala dos Professores > Calder e a Arte Brasileira
Calder e a Arte Brasileira

Em Calder e a Arte Brasileira, o Instituto Itaú Cultural lança luz sobre a influência no Brasil da obra do artista norte-americano, Alexander Calder, pioneiro da arte cinética, e traz à tona a importância de seu papel na formação do neoconcretismo no país.

Com curadoria de Luiz Camillo Osorio, e em parceria com a Expomus e a Calder Foundation, conduzida por Alexander S. C. Rower, neto do artista, em Nova York.

A mostra “Calder e a Arte Brasileira” apresenta 60 peças, seno 32 do próprio artista, entre móbiles, guaches, maquetes, desenhos, óleos sobre tela e dois audiovisuais. Outras 28, são produções de 14 brasileiros, que revelam a proximidade de seu trabalho ao do artista.

Nos anos 40 e 50, experimentalistas como Abraham Palatnik, Lygia Clark, Hélio Oiticica – cujo trabalho foi apresentado no Itaú Cultural em 2009, 2010 e 2012, respectivamente –, Willys de Castro, Judith Lauand, Lygia Pape, Waltercio Caldas, Antonio Manuel e Luiz Sacilotto também embarcaram no caminho da arte cinética influenciando gerações até hoje.

A influência se detecta em Ernesto Neto, Franklin Cassaro, Carlos Belvilacqua, Cao Guimarães e Rivane Neuenschwander, igualmente presentes na exposição.

O artista norte-americano realizou a sua primeira exposição no Brasil no final da década de 1940. Passados 13 anos, participou da segunda Bienal de São Paulo (1953) deixando influências diretas no imaginário poético no país.

Sua relação com os arquitetos modernos foi próxima. Também com o crítico de arte Mario Pedrosa, que teve posição determinante para que se realizasse uma retrospectiva de Calder no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em 1959.

“A sua obra inscreveu-se na formação construtiva brasileira, misturando o lúdico e o geométrico e isso merece melhor avaliação histórica”, observa o curador, é  esta relação que pretendemos trabalhar nesta exposição.”

agenda

Calder e a Arte Brasileira. Itaú Cultural. Avenida Paulista, 149, São Paulo. Aberto de terça a sexta, 9h às 20h, sábado e domingo das 11h às 20h. Até 23/10/16.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *