Exposição Construções Sensíveis: A experiência da Arte Abstrata na América Latina

História das Artes > Sala dos Professores > Exposição Construções Sensíveis: A experiência da Arte Abstrata na América Latina
Exposição Construções Sensíveis: A experiência da Arte Abstrata na América Latina

Uma das mostras mais abrangentes e representativas da arte abstrata da América Latina chega à São Paulo. É a exposição Construções Sensíveis: a experiência geométrica latino-americana na coleção Ella Fontanals-Cisneros. A mostra traz 124 obras de 63 artistas de sete países da América Latina.

Montada pelos curadores Rodolfo de Athayde e Ania Rodríguez, da Arte A Produções, a partir da coleção Ella Fontanals-Cisneros, engloba desde pintura, desenho ou obras sobre papel, até esculturas, objetos, fotografias e vídeos.

“A exposição traz ao Brasil um recorte da abstração no nosso continente.

Junto ao importante legado do concretismo e neoconcretismo brasileiros, são apresentadas as poéticas abstratas que prosperaram em outros países a partir dos anos de 1930”, explica Ania.

Vários dos nomes representados na mostra têm reconhecimento internacional e muitos influenciaram e foram influenciados por latino americanos que encontraram em Paris ou Nova Iorque, pontos comuns de contato, intercâmbio e informação na época.

Essa rara oportunidade de conhecer num único evento, tantos e tão instigantes autores e obras só foi possível porque Ella Fontanals-Cisneros construiu, a partir de 1970, uma coleção de arte abstrata geométrica e concreta, que já reúne mais de 2,6 mil obras, produzidas entre 1920 e 1982.

A história do abstrato na América Latina, com seus paradoxos e contradições, é suscetível a estereótipos e mal-entendidos, mas, ao mesmo tempo, carente de uma pesquisa mais extensa, que registre suas conquistas e alcance a partir de suas concepções particulares.

A exposição Construções Sensíveis é um passo importante na abertura desses horizontes, ao colocar ao alcance dos brasileiros esse elenco impressionante de artistas, com entrada gratuita.

Abaixo alguns dos autores com obras na exposição, para dar uma ideia da abrangência e da relevância do panorama que foi montado:

  • Argentina: Gyula Kosice, Enio Iommi, Gregorio Vardanega, Martha Boto e Julio Le Parc
  • Brasil: Lygia Clark, Hélio Oiticica, Mira Schendel, Geraldo de Barros e Thomaz Farkas
  • Colômbia: Edgar Negret, Leo Matiz, Eduardo Ramírez Villamizar e Feliza Bursztyn
  • Cuba: Sandu Darie, Loló (Dolores) Soldevilla, José Mijares, Roberto Diago e Carmen Herrera
  • México: Mathias Goeritz e Gunther Gerzso
  • Uruguai: Joaquín Torres García, Héctor Ragni, Antonio Llorens, Maria Freire e Marco Maggi
  • Venezuela: Alejandro Otero, Jesús Rafael Soto, Elsa Gramcko, Gego e Magdalena Fernández

A curadora Ania Rodríguez considera que mesmo nos casos em que não existem vínculos históricos comprovados entre artistas de diferentes latitudes, “os nexos podem ser estabelecidos a partir de uma sensibilidade comum evidente, que filia as tendências derivadas do construtivismo como paradigma estético”.

Construções Sensíveis:A experiência geométrica latino-americana na coleção Ella Fontanals-Cisneros. Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp. Avenida Paulista, 1313 (em frente à estação Trianon-Masp do Metrô) – São Paulo, SP. Aberta diariamente, das 10h às 20h. Entrada Gratuita. Até 18/06/17.

Fique atento! Horários podem mudar sem aviso prévio. Consulte sempre os sites oficiais.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *