Arlésiennes, Paul Gauguin

Essa é uma das dezessete telas que Paul Gauguin completou durante uma breve e tumultuada visita a Van Gogh em Arles. É uma poderosa e enigmática retrata o jardim público em frente à residência de Van Gogh, a chamada Casa Amarela.

Há o planejamento cuidadoso da composição, grandes áreas planas de cor, manipulação arbitrária de espaço e as silhuetas enigmáticas, exemplificam a deliberação com a qual Gauguin buscou harmonia pictórica e conteúdo simbólico em sua obra.

Aqui, quatro mulheres envoltas em xales caminham lentamente pelo jardim. Os dois mais próximos do espectador desviam seus olhares e curiosamente cobrem suas bocas.

Seus contornos sombrios ecoam os dois cones alaranjados, que provavelmente representam arbustos envoltos no gelo.

O banco ao longo do caminho superior esquerdo se eleva abruptamente, desafiando a perspectiva lógica.

Igualmente intrigante é o misterioso arbusto à esquerda, no qual Gauguin incorporou conscientemente formas que sugerem olhos e nariz, criando a impressão de uma presença estranha e vigilante.

Com sua aura de emoção reprimida e significado indescritível, Arlésiennes (Mistral) explora as ambiguidades, mistérios e emoções que Gauguin acreditava estarem subjacentes às aparências.

Arlésiennes, 1888, óleo sobre tela, 73 × 92 cm, Paul Gauguin, Art Institute of Chicago.

Agora que você sabe mais detalhes sobre esse quadro de Gauguin, experimente fazer uma releitura dele ou crie uma composição com pessoas inseridas em paisagem estilizada, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *