Entre Laranjeiras, Joaquín Sorolla

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Entre Laranjeiras, Joaquín Sorolla
Entre Laranjeiras, Joaquín Sorolla
   

Esta obra foi a primeira grande encomenda que Sorolla recebeu de Buenos Aires. Conseguiu-a através de seu representante Dom José Artal. A 10 de junho de 1902 se refletia por escrito a petição ou através de uma extensa carta onde se explicam detalhadamente as condições desejadas.A encomenda consistia na representação de um pomar de laranjeiras cheias de frutas; isto lhe obrigava a atrasar sua execução até o inverno. No mês de dezembro o artista se encontrava em Alcira, tomando notas para a obra definitiva. A obra vai-se atrasando apesar de que o pintor se comprometera a tê-la finalizada para enviá-la em fevereiro de 1903.

Posteriormente se soube que o quadro não chegou a Buenos Aires até o mês de julho.

A obra, pertencente ainda a seu período costumbrista, adquire um tom festivo que vai aparecendo cada vez mais em seus temas, deixando de lado o costumbrismo social mais preocupado pelo mundo do trabalho.

O período de formação do artista finaliza no ano 1903. O quadro está incluído nesta etapa em que se advertem umas características determinadas como a excessiva luz e a utilização de uma palheta forte e brilhante, destacando-se sobretudo os deslumbrantes brancos.

As figuras ficam recortadas e inclusive imersas na exuberante natureza, fundindo-se com ela. Estes personagens vão vestidos com a indumentária típica do local e estão desenhados com grande precisão.

Por entre as frondosas laranjeiras com seus frutos atravessam os raios de sol, iluminando irregularmente a composição. Destaca-se este magistral tratamento da luz e sua perfeita combinação com uma gama cromática de ocres, terras e verdes que criam uma atmosfera festiva.

A cena parece ágil e dinâmica no seu conjunto e sua composição preludia uma das preocupações que Sorolla vai desenvolver em suas posteriores obras: o movimento.

Da correspondência estabelecida entre o marchand Dom José Artal e Sorolla só conhecemos uma parte, já que a do pintor se perdeu.

Eis aqui uns fragmentos destas cartas em que o marchand releva as exigências e condições do cliente:

“O comprador é o Doutor D. José R. Semprun, um dos médicos de maior reputação de Buenos Aires, de boa fortuna, muito inteligente em pintura e com galeria de quadros modernos.” “Pede-me como únicas condições que sua obra seja sobre assunto alegre e bem concluída pois não comunga com nada impressionista.” “Neste caso, como no anterior de Errázuriz, minha intervenção é puramente amistosa, o senhor pode enviar diretamente a obra ao Dr. José R. Semprun e ainda escrever-lhe o que o senhor pensa conveniente, pois isto lhe produzirá bom efeito.” “Não necessito lhe dizer nada mais porque estou seguro de que na obra o senhor dará, como de costume, seu toque genial.”

Entre Laranjeiras, 1903, Joaquín Sorolla, Museu Nacional de Belas Artes de Cuba.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Joaquín Sorolla, experimente desenvolver sua releitura sobre o tema ou  crie uma composição com pessoas nas plantações, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando  #historiadasartestalento

COMO CITAR:

Para citar esta página do História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o texto abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. Entre Laranjeiras, Joaquín Sorolla. História das Artes, 2021. Disponível em: <http://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/entre-laranjeiras-joaquin-sorolla/>. Acesso em 18 Sep 2021.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:
Available for Amazon Prime