Obras Analisadas

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Arquivo "Obras Analisadas" (Página 2)
O Enterro do Conde de Orgaz, El Greco

O Enterro do Conde de Orgaz, El Greco

El Greco é um artista enigmático, sobre quem sabemos muito pouco. Esta curiosa obra-prima é um enorme quadro, pintado em 1586 para celebrar o enterro do conde de Orgaz, que havia morrido 250 anos antes. Conta-se que quando o conde foi para seu repouso eterno, ocorreu um milagre: dois santos desceram do céu e colocaram seu corpo no túmulo. Continue Lendo

Provérbios Flamengos, Pieter Bruegel, o Velho

Os provérbios eram um meio de expressão importante a época de Bruegel, e muitas vezes eram expressos visualmente. Havia muitas gravuras com temas desse gênero, que eram baratas e circulavam com facilidade. Continue Lendo

Mulher e Pássaro à Luz da Lua – Joan Miró

Mulher e Pássaro à Luz da Lua – Joan Miró

Nas duas primeiras décadas do século XX, os estudos psicanalíticos de Freud e as incertezas políticas criaram um clima favorável para o desenvolvimento de uma arte que criticava a cultura européia e a frágil condição humana diante de um mundo cada vez mais complexo.

Surgem movimentos estéticos que interferem de maneira fantasiosa na realidade. Continue Lendo

A Anunciação, Fra Angelico

A Anunciação, Fra Angelico

O arcanjo Gabriel diz à Virgem Maria que ela dará à luz o Filho de Deus. Tranquilidade, ordem e simplicidade são as características que se destacam nesta pintura. Continue Lendo

Adoração dos Pastores – Caravaggio

Adoração dos Pastores – Caravaggio

A adoração dos pastores é um óleo sobre tela pintado pelo artista italiano Michelangelo Merisi, conhecido como Caravaggio .

A pintura foi contratada pelos capuchinhos franciscanos e foi pintada em Messina para a Igreja de Santa Maria degli Angeli, em 1609, apenas um ano antes da morte de Caravaggio. Continue Lendo

A Queda – René Magritte

A Queda – René Magritte

O Surrealismo surge todas às vezes que a imaginação se manifesta livremente, sem o freio do espírito crítico, o que vale é o impulso psíquico.

Os surrealistas deixam o mundo real para penetrarem no irreal, pois a emoção mais profunda do ser tem todas as possibilidades de se expressar apenas com a aproximação do fantástico, no ponto onde a razão humana perde o controle. Continue Lendo